Nossa Senhora das Graças

Esta é a curiosa história de Catarina de Labouré, cujo nome era Zoé e Catarina, seu nome como religiosa. Foi certa vez visitar as filhas de São Vicente e encontra no parlatório o retrato do Padre que vira uma vez em sonhos a chamá-la; e era justamente o seu fundador, Vicente de Paulo.

No ano de 1830, nas vésperas da festa de São Vicente de Paulo, a jovem Noviça, por volta de onze e meia da noite, ouve três vezes o seu nome. Catarina! Catarina! Catarina!... Catarina assustada, senta-se no leito, e diz: Estou te conhecendo, és meu Anjo da Guarda! E o menino lhe diz o seguinte: Vem a Capela, que Nossa Senhora te espera! Catarina, teve um momento de hesitação... e disse: Não posso, vou acordar todo mundo! Porém o menino a tranquilizou... Não tenhas medo, todos estão dormindo, vem, eu te acompanho, Catarina! Então respondeu: Está bem, vamos.

Após terem atravessado os corredores, onde luzes se acendiam e as portas se abriam sozinhas, chegam à Capela, onde derrepente, já pela meia noite, o menino exclama. Olha Nossa Senhora! No mesmo instante, Catarina escuta, do lado da epístola, um ligeiro ruído como que roçagar de um vestido de seda e uma Dama muito bela, senta-se defronte do altar.  
 

Catarina se ajoelha, apoia-se em seu regaço, a Dama afaga-se e fala: Catarina, em qualquer sofrimento, venha falar ao meu coração. Receberás tudo o que precisamos.

Filha, confio-te uma missão, não tenhas medo; conta tudo ao Padre encarregado, de guiar-te. Desgraças desabarão sobre a França, o trono será derrubado, Catástrofes abalarão o mundo; Eu estarei contigo. Deus e São Vicente, protegerão as duas comunidades: a dos Padres e as Irmãs de São Vicente. E foi assim que tudo aconteceu. Catarina não soube dizer por quanto tempo ficou junto Dela, que desapareceu como uma sombra.

No dia 27 de novembro de 1830, às 5 horas da tarde, a comunidade rezava na Capela. Nossa Senhora manifestou-se novamente a Catarina. Apareceu à direita, justamente no lugar onde se encontra hoje, o altar chamado da Virgem do Globo, onde existe uma imagem de mármore, tentando reproduzir o que a Noviça viu. O Globo que vês, representa o mundo inteiro. Em seguida, seus dedos encheram-se de anéis de pedras cintilantes que a inundavam de luz.

 E as mãos da Senhora, carregadas das graças sugeridas pelos raios, abaixaram-se e estenderam-se como se vê na medalha, e a vidente ouviu. Este raios, são símbolos das graças que eu derramo sobre aqueles que as suplicam.

Fazei cunhar uma medalha com minha figura de um lado, e do outro, o M do meu nome, encimado por uma cruz, tendo embaixo dois corações, um coroado de espinhos e o outro, atravessado por uma lança. Todos que a usarem com fé, receberão grandes graças. Catarina, foi ao Padre Aladel, seu confessor, e contou-lhe tudo... Padre, Nossa Senhora me apareceu... Padre, precisavas ver que lindas as graças contidas em suas mãos.

Porém, padre Aladel custou a convencer-se de tal visão, e disse: Minha filha, calma, sejamos prudentes. Por enquanto, guardaremos segredo. Depois de algum tempo, Padre Aladel foi procurar o Arcebispo de Paris e contou-lhe tudo. O Arcebipo disse: Deus o abençoe, Padre Aladel


O Padre então contou: Sr. Arcebispo, após a narração do ocorrido e mediante a tantas graças que vêm sendo derramadas em nossas comunidade, peço a Vossa Eminência a autorização para que sejam mandadas cunhar as medalhas conforme vontade de Nossa Senhora. O Arcebispo, depois de ouvir o Padre atentamente, disse: Mandaremos cunhá-las logo e trataremos de distribuí-las para que todos as usem. Vá em paz e que a Virgem o guarde.

A comunidade, conhecendo a medalha e seus efeitos milagrosas, aos poucos foi difundido à devoção a Nossa Senhora das Graças, que se espalhou pelo mundo.

Faça a Novena de Nossa Senhora das Graças, clique no botão abaixo.